Baleia de bossas

Megaptera novaeangliae

Borowski, 1781 Arrojamento Observado pelo Espaço Talassa

Os machos adultos medem, em média, 14 metros e as fêmeas 15 m, enquanto que o peso varia entre 30 e 40 toneladas. Os recém-nascidos medem de 4 a 5 m e têm um peso variável de 1 a 2 toneladas. A gestação dura cerca de 12 meses e a mãe cuida da cria até que esta atinja cerca de 1 ano de idade. Apresenta no dorso uma coloração entre o azul e o negro, enquanto que a zona ventral do animal é branca e a cabeça possui numerosas protuberências arredondadas (as bossas). Esta espécie é caracterizada ainda pelas suas longas barbatanas peitorais, que são frequentemente brancas. Possui cerca de 270 a 400 pares de barbas cinzentas no maxilar superior e de 14 a 35 pregas ventrais na garganta, que se prolongam até ao umbigo. A alimentação da baleia-de-bossas é muito variável, à semelhança das técnicas de alimentação, visto que pode precipitar-se sobre um banco de krill ou de cardumes de pequenos peixes, tais como as cavalas ou os arenques, ou de atordoar as presas com a barbatana caudal ou ainda com as peitorais. É impressionante observar várias destas baleias, a nadar em espiral sobre um cardume de peixes e libertando, pelo espiráculo, uma barreira de bolhas de ar que cerca as presas, funcionando um pouco como uma rede. Depois, é só engoli-las !... O mais velho exemplar conhecido tinha 48 anos. A baleia-de-bossas possui o mais vasto repertório vocal do mundo animal. Produzem diversos tipos de sons, cujas frequências vão de 0,02 a 8,2 kHz. Pensa-se que cada população tem o seu próprio dialecto. As suas canções podem durar até 15 minutos e são sobretudo produzidas pelos machos adultos no período da reprodução.
Vítimas da caça, as baleias-de-bossas praticamente desapareceram do Atlântico Norte. Contudo, em 1994, um juvenil foi observado e filmado a partir dum veleiro, junto à costa sul do Faial. Observámos esta espécie em várias ocasiões, em 1995, a partir da nossa vigia. Um exemplar isolado e muito activo também foi observado no grupo central dos Açores, durante várias semanas, no Verão de 1996. Durante o mês de Junho de 1998 e de 1999, tivemos a oportunidade de acompanhar e fotografar dois exemplares desta espécie, na costa sul do Pico. Pudemos observar o seu sopro, com cerca de 2,5 m de altura, bem visível e estridente, assim como alguns aspectos do seu comportamento. Logo que mergulha, arqueia fortemente o dorso e mostra claramente a caudal fora de água, podendo permanecer imersa durante 20 min. Desloca-se a uma velocidade média de 4 nós, atingindo no máximo os 8 nós. Ao longe, esta espécie, pode ser confundida com os outros rorquais. Contudo, ao perto, é fácil distingui-la das outras espécies, graças às bossas e, em especial, às grandes barbatanas peitorais.
AÇORES : "Ampebeque" - POR : Baleia de Bossa - ITA : Megattera - SPAIN : Jorobada - GB : Humpack GER : Buckewall - NEDER : Bultrug - SWEEDS : Hnufubakur - NOORS : Knølhval - DEENS : Buckelhval - JAP : Zato kujira